sábado, 3 de janeiro de 2009

CASAS MAL ASSOMBRADAS

Quando Satanás ou fantasmas fixam residência numa casa, diz-se que ela está "possuída" ou "mal-assombrada". Não está clara a razão pela qual Satanás ou fantasmas iriam confinar-se a cômodos, já que, com seus supostos poderes, poderiam estar em qualquer lugar, ou Skellig Bay - photo by R. Carroll em todos os lugares, a qualquer tempo. Se realmente quisessem aterrorizar a vizinhança, poderiam revezar-se, assombrando diferentes casas.

Idéias sobre casas mal-assombradas muitas vezes têm origem em filmes como Horror em Amityville, um filme de ficção baseado numa fraude real. Embora seja bastante comum que um padre católico benza uma casa, ou faça o que é chamado "exorcismo de rotina", não é comum que execute o que se chama de "exorcismo real" em uma casa, a despeito do que foi mostrado no filme. No caso de Amityville, os demônios reais eram George e Kathy Lutz, que elaboraram uma história absurda para ajudá-los com uma hipoteca com a qual não podiam arcar, e com um casamento que esfriava (Schick & Vaughn 1998: 269-270).

Nem todas as assombrações são fraudes óbvias. Algumas são embustes criados por adolescentes problemáticos, tentando obter atenção aterrorizando os pais e irmãos (Randi 1986, 1995).

Alguns casos envolvem pessoas costumeiramente normais, que ouvem ruídos estranhos ou têm visões de pessoas mortas ou de objetos que se movem sem qualquer meio visível de locomoção. Ouvir ruídos estranhos à noite e deixar a imaginação correr solta são características humanas naturais, e não muito indicativas de atividades diabólicas ou paranormais. Da mesma forma, visões e alucinações são bastante naturais, mesmo quando incomuns e infreqüentes, em pessoas com imaginação normal, assim como nas muito imaginativas (Sagan 1995).

De qualquer forma, o mercado dos "caça fantasmas" prospera. Eles vão às casas supostamente mal-assombradas para programas de televisão como Sightings. Circulam com um dispositivo eletrônico que capta campos eletromagnéticos. Se o ponteiro se move, alegam ter evidências de atividade poltergeist, embora praticamente qualquer coisa apresente um nível mensurável de radiação eletromagnética.

Muitas pessoas relatam mudanças físicas em locais mal-assombrados, especialmente uma sensação de presença, acompanhada por uma queda na temperatura e a audição de sons não-identificáveis. Não estão imaginando coisas. A maioria das assombrações ocorrem em edificações antigas, que tendem a ter correntes de ar. Cientistas que investigaram locais mal-assombrados explicam tanto as mudanças de temperatura quanto os sons encontrando as origens das correntes de ar, como espaços vazios atrás de paredes ou correntes postas em movimentos por fontes de ondas sonoras de baixa freqüência (infra-sons), produzidas por objetos tão mundanos como exaustores. Alguns acham que são campos magnéticos que induezem a sensação de assombração. *

Concluindo, da mesma forma que observo no verbete poltergeist:

Mesmo se eu apresentasse explicações físicas plausíveis para um milhão de poltergeists em um milhão de lugares diferentes em um milhão de momentos diferentes, sempre existiria a possibilidade de que o próximo que aparecesse fosse o verdadeiro. Assim, aqueles que acreditam em poltergeists, fantasmas e casas mal-assombradas sempre poderão refugiar-se no fato de que ninguém jamais terá informações suficientes para desmistificar todas as histórias de fantasmas e, mesmo se o fizessem, a próxima história poderia provar que os desmistificadores estavam errados!

Como cético, tudo que posso dizer com confiança é que, quando se levam em conta as exigências para que uma história de fantasmas seja verdadeira, a posição mais razoável é de que exista uma explicação naturalista para todas essas histórias, mas que nós, muitas vezes, não temos ou não podemos ter todos os detalhes necessários para oferecer essa explicação. Precisamos nos apoiar em evidências testemunhais, que são sempre incompletas e seletivas, e que são, muitas vezes, passadas adiante por pessoas inexperientes, supersticiosas, diretamente interessadas e que ignoram leis básicas da física. Assim, sempre haverá histórias como a da "Bruxa do Sino", que atraem muita atenção, especialmente quando apresentadas em filmes, e que levam muita gente a pensar que talvez desta vez haja alguma coisa, mesmo se todas as outras histórias de fantasmas sejam falsas. A "Bruxa do Sino" é, supostamente, "uma entidade sinistra que atormentou uma família da fronteira do Tennessee nos anos de 1817 e 1821" * A probabilide de não termos todas as evidências nesse caso é proporcional ao número de anos que se passaram desde que os eventos supostamente ocorreram.

Veja também exorcismo, fotografia psíquica e superstição


leitura adicional

Brugger, Peter. "From Haunted Brain to Haunted Science: A Cognitive Neuroscience View of Paranormal and Pseudoscientific Thought,"

Hauntings and Poltergeists: Multidisciplinary Perspectives, editado por J. Houran e R. Lange (North Carolina: McFarland & Company, Inc. Publishers, 2001).

Christopher,Milbourne. ESP, Seers & Psychics (Thomas Y. Crowell Co. 1970).

Frazier, Kendrick. "Amityville Hokum: the Hoax and the Hype," Skeptical Inquirer, 4, no. 2 (1979-80): 2-4.

Randi James. "The Columbus Poltergeist Case: Part I," Skeptical Inquirer (Spring 1985). Este artigo pode ser encontrado em Science Confronts the Paranormal, editado por Kendrick Frazier. (Buffalo, N.Y.: Prometheus Books, 1986).

Randi, James. An Encyclopedia of Claims, Frauds, and Hoaxes of the Occult and Supernatural (N.Y.: St. Martin's Press, 1995).

Sagan, Carl. The Demon-Haunted World - Science as a Candle in the Dark, ch. 6 "Hallucinations," (New York: Random House, 1995).

Schick, Theodore, and Lewis Vaughn. How to Think About Weird Things (Mountain View, California: Mayfield Publishing Company, 1995).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário