sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

ALINHAMENTO PLANETÁRIO.


Vcs se lembram da música AGE OF AQUARIUS (Era de Aquário)?

Vejam abaixo que linda mensagem sobre o próximo dia 14/fevereiro/2009, Valentine´s Day nos Estados Unidos e Europa.

Teremos um alinhamento planetário maravilhoso - exatamente o alinhamento descrito na música AGE OF AQUARIUS há 40 anos atrás...

Coincidência ou premonição?

O fato é que estamos caminhando rumo a um novo tempo, os novos líderes eleitos já apontam esta nova tônica.

O tempo que nós escolhemos criar, viver e manifestar a cada dia através de nossos pensamentos, intenções, sentimentos e ações.

Alinhamento Aquariano de 14/fev/2009

por Jude Currivan PhD

No alvorecer do dia 14/fevereiro, dia dedicado à São Valentim nos Estados Unidos e Europa (Valentine´s Day, o patrono e Santo do Amor) a lua em Libra entra na sétima casa dos relacionamentos; Jupiter e Marte estarão alinhados no signo de Aquarius na décima segunda casa da transformação espiritual.

Quarenta anos atrás, as palavras intuitivas de uma canção chamada Aquarius, trouxe o alvorecer da Nova Era ao Consciente Coletivo :

"When the Moon is in the seventh house

and Jupiter aligns with Mars.

Then peace will guide the planets

and love will steer the stars "

" Quando a Lua estiver na sétima casa

e Jupiter se alinhar com Marte,

Então a PAZ guiará os planetas

e o Amor varrerá as estrelas "

No alvorecer do dia 14/fevereiro, o Cosmos realmente vai personificar este perfeito alinhamento que irá apoiar nossa manifestação coletiva de Amor e PAZ, no alvorecer da Era de Aquarius.

O mapa astral do dia 14/fev que revela uma incrível concentração de influências cósmicas combinadas com as energias de Aquarius na décima segunda casa.

Júpiter, o planeta da expansão, e Marte, o planeta da energia estarão alinhados com o objetivo mais elevado.

A presença de Quíron, o curador ferido, nos oferece a oportunidade de curar os fatos que nos separaram durante tanto tempo de nós mesmos e do todo.

Netuno enfatiza os movimentos humanitários coletivos e a co-criação da justiça social.

A presença do SOL ilumina todo este alinhamento especial.

Mercúrio, também na décima segunda casa, porém em Capricórnio, se alinha com Plutão que significa Transformação para se comunicar e ancorar a MUDANÇA através de nossas estruturas globais e instituições.

A Lua em Libra na sétima casa enfatiza o início de relacionamentos harmoniosos.

Venus em Áries na primeira casa energiza e dá Poder à co-criatividade e ao dinamismo.

Saturno, o grande mestre do trabalho em oposição à Urano, o desperto inesperado, sugere uma série de confrontações dos velhos paradigmas que não são mais sustentados, entregando-se ao novo paradigma com novas esperanças. Sua colocação entre Virgem e Peixes traz altruísmo prático e inspiração visionária nesta transição.

Durante os 18 minutos do alinhamento, eu convido você, em seu coração universal, para colocar sua intenção de AMOR e PAZ e juntos CO-CRIARMOS O ALVORECER DA ERA DE AQUARIUS no Cosmos .

Na forma que mais for apropriada para você, energize este momento com suas INTENÇÕES E ORAÇÕES e juntos criaremos uma onda de energia que abraçará a Mãe Terra.

Sinta-se à vontade para circular esta informação e nosso convite para este incrível evento Cósmico: O ALVORECER DA ERA DE AQUARIUS, conforme cantado há 40 anos na música AQUARIUS ...

Participe deste grande MOMENTUM e CO-CRIE SUA NOVA REALIDADE E SUA NOVA VIDA NA MÃE TERRA AGORA ...


No dia 14 de fevereiro, às 5h25m do horário brasileiro de verão, Júpiter, o planeta da expansão e da proteção, e Marte, o planeta da energia, estarão formando um poderoso alinhamento no humanitário signo de Aquário. O alinhamento concede uma energia extra aos aspectos formados entre os planetas no céu. Além desses planetas, temos o Sol (consciência), Netuno (inspiração), Quíron (o curador) e Nódulo Norte (crescimento) - todos presentes nesse mesmo signo, conferindo ao momento um significado muito especial em termos da possibilidade de uma elevação da consciência em prol da humanidade e de valores ligados à fraternidade e igualdade entre os povos e as nações e à liberdade de expressão.

A Lua (o feminino), em Libra, em ângulo harmônico com o Sol (o masculino), faz com que essas duas energias se equilibrem dentro de nós e possam trazer o desejo de paz para todos. Vênus,o planeta do amor, no signo de Áries, faz um aspecto harmonioso com Marte e Júpiter, reforçando nossos desejos de esperança e melhoria das relações entre todos os seres humanos.

Saturno e Urano fazem uma oposição no céu. Saturno limita, mas traz estrutura, nos faz amadurecer e crescer. De outro lado temos Urano, o revolucionário, que quer romper com todos os limites que Saturno impõe. E dessa luta, neste momento, temos a possibilidade de uma nova ordem, de uma quebra nos padrões antigos, mas com possibilidade de amadurecimento. Para muitos astrólogos este seria um sinal do alvorecer da tão esperada era de Aquário e há o convite para que, durante os 18 minutos do alinhamento, todos evoquem a sua própria intenção de amor e de paz para humanidade.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

TOTAL DESRESPEITO A RAÇA HUMANA


ISSO É QUE CHAMO TOTAL DESRESPEITO A RAÇA HUMANA, SEJA ELA BRANCOS, NEGROS, AMARELOS E VERMELHOS. O INTERLOCUTOR DO SR. FAUSTÃO PLIM - PLIM ! REDE GLOBO DE TELEVISÃO COM TOTAL FALTA DE CARATER, RACISMO OU MESMO DEBOCHE SE REFERIU A ESSE SR. DE 89 ANOS COMO SE FOSSE UM RESTO DE QUALQUER COISA ! SERÁ PROCESSADO ESSE INTERLOCUTOR ENGRAÇADINHO DO SR FAUSTÃO !
VEJAM O VIDEO POR INTEIRO !
Quanto ao video,...a falta de respeito é realmente impressionante,...só porque está em um cargo superior, se acha no direito de falar as bobagens, e achar que está cumprindo o dever! Esse caso dever vir à tona, para que ele seja punido e sirva de lição para todos que se acham no direito de subestimar existências, através da humilhação ou preconceito racial.

PARECE QUE NÃO SE CONSEGUE FAZER O UPLOAD DO VIDEO. AQUI VAI O ENDEREÇO NO YOUTUBE:
http://www.youtube.com/watch?v=NKQPiEze9wU

domingo, 8 de fevereiro de 2009

STAND BY ME

video
Devemos fazer de nossa lembrança , apenas um modo de recordação dos tempos que não voltam mais. Do tempo entre o povo do Harlen de New York e de tantos lugares onde essa musica ficou gravada em todos as mentes das pessoas que se encantavam com baladas, que viviam nesse ritmo maravilhoso da musica STAND BY ME !





quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

NAVE MÃE DE 400 KM DE DIAMETRO



OVNI Gigante sobre Dois Continentes
por James Oberg, publicado em janeiro de 1983 na FATE Magazine

Aparição aérea desencadeia pânico nas ruas, temores de ataques nucleares e relatos de pousos de extraterrestres.

Uma das mais espetaculares e amplamente testemunhadas aparições de OVNI em tempos recentes ocorreu na tarde de sábado, 14 de junho de 1980. Em sua primeira fase foi largamente vista na Rússia central; o ufologista soviético Feliks Zigel foi subseqüentemente capaz de preparar um relatório baseado em entrevistas detalhadas com 40 testemunhas oculares. Em sua segunda fase o OVNI apareceu uma hora depois sobre a América do Sul (em torno de 7 horas da noite, horário da Argentina) onde ele foi visto em cinco países e fotografado no céu ocidental perto da Lua; este evento foi grandemente divulgado nos Estados Unidos e ocupou duas páginas de uma análise International UFO Reporter alguns meses depois. Uma terceira fase não-confirmada ocorreu perto de Morocco.

Existem várias testemunhas oculares altamente qualificadas para este evento. Elas incluem pilotos de aviões, fotógrafos de jornais, oficiais militares reformados e investigadores UFO experientes. Fotografias mostram o OVNI junto com objetos mensuráveis de calibração como a Lua ou características identificáveis no horizonte. Efeitos fisiológicos e avistamentos de ocupantes de pequenas "naves de escolta" estão registrados em Moscou. Gordon Creighton, um consultor sênior do respeitado Flying Saucer Review, chamou o caso de "certamente um dos mais fascinantes já produzidos em qualquer lugar no mundo". J. Allen Hynek do Center for UFO Studies (CUFOS) definiu a fase argentina "uma das mais fantásticas em anos". E o investigador-chefe CUFOS Allan Hendry escreveu que "a natureza exata deste caso permanece um mistério".

Os relatos soviéticos, que apareceram em várias publicações ocidentais graças aos esforços do free-lance de Los Angeles Henry Gris, falam de um objeto "enorme" (com mais de 120 metros de largura), laranja avermelhado "em forma de ferradura ou meia-lua" visto seqüencialmente em Kalinin, Moscou, Ryazan, Gorkiy e Kazan. De acordo com o ufólogo Aleksey Zolotov, ele mesmo uma testemunha, muitos aviões da força aérea soviética foram mandados para interceptar o OVNI. Em Moscou Feliks Zigel observou pânico nas ruas enquanto mulheres idosas pranteavam sobre o Dia do Julgamento e homens direcionavam as pessoas para abrigos antiaéreos em face de um aparente ataque nuclear americano. Em Gorkiy, vacas mugiam e patos se agitavam freneticamente nas margens do Volga.

Outro perito UFO soviético destacado, Sergey Bozhich, que viu o OVNI de seu apartamento no subúrbio moscovita de Toshino, lembrou-se de que "foi um avistamento verdadeiramente aterrorizante, eu imediatamente percebi que o crescente avermelhado tinha que ser uma espaçonave extraterrestre, porque eu já tenho estudado OVNIs por muitos anos e já vi OVNIs similares a este".

A pesquisa de Zigel revelou dois encontros imediatos do terceiro grau. Um veio do tenente-coronel Oleg Karyakin que viu o disco voador sobrevoar a rua na frente de sua casa naquela noite; um vizinho posteriormente descreveu "uma figura humana, bem pequena e vestida em um traje espacial, dentro da cúpula transparente do disco". No segundo, o diretor de televisão Aleksandr Koreshkov foi acordado do sono por um "objeto" barulhento na rua. Perto dele ele viu "um homem muito pequeno". Sua esposa posteriormente também acordou para encontrar grandes marcas de queimadura vermelhas em seus braços; elas desapareceram pela manhã. Gordon Creighton escreveria que esses relatos indicavam "de forma convincente que algumas naves pequenas do OVNI gigante realmente pousaram nas ruas da capital russa".

Os relatos sul-americanos, embora menos sensacionais, foram ainda mais amplos. "Tantas cidades em uma área englobando cinco países - incluindo a Argentina, Uruguai, Brasil, Chile e Paraguai - reportaram ter visto o mesmo tipo de 'OVNI' que o tratamento inicial da imprensa falava de uma 'frota de OVNIs", notou o relatório de Hendry para o CUFOS. "Em retrospecto um único fenômeno em grande altitude parece estar por trás de tudo".

Os pilotos e o pessoal da torre de controle no aeroporto Newbery em Buenos Aires relataram o objeto flutuando a um quilômetro do aeroporto. No aeroporto de Ezezia os controladores disseram que eles podiam ver o OVNI como um ponto na tela do radar. Em Cordoba o objeto pareceu decolar da pista do aeroporto e disparar a 25.000 pés. Uma "massa voadora circular" perseguiu uma família dirigindo para casa de uma visita a Córdoba. Eles levaram o carro para o acostamento e pararam. O OVNI desceu em direção deles "com movimentos verticais e circulares deixando uma trilha brilhante de fumaça esbranquiçada" - e então desapareceu na frente de seus olhos.

Em Corrientes o repórter Omar Vallejos viu o OVNI "flutuando sobre o rio Prana - e então, como se tivesse nos visto, ele começou a se mover para norte e desapareceu".

Descrições visuais foram geralmente consistentes. "Parecia como a lua cheia mas mais fraco", um piloto disse, "e era rodeado por uma espécie de auréola". No campo Newbery um controlador chamou o OVNI de "um tipo de esfera que era tênue no meio e mais brilhante nas extremidades". Duas fotografias, publicadas no tablóide "Star" em 19 de agosto de 1980 mostram uma tênue nuvem em forma de "rosquinha".

O dr. Willy Smith, um pesquisador CUFOS especializado em relatos sul-americanos, concluiu que a nuvem-OVNI estava a uma altitude de "200 a 300 quilômetros" com uma velocidade de "um a dois quilômetros por segundo, e isso é muito confiável".

Essas descrições de "auréola-esfumaçada" levaram Hendry a suspeitar de um experimento de liberação de nuvem de bário a grandes altitudes, como os freqüentemente conduzidos pela NASA para investigar condições ionosféricas e regularmente relatados como OVNIs. (Felizmente, eles estão entre os mais fáceis para os investigadores de identificar). Mas não havia tais sondas ionosféricas registradas para este caso. Além disso, Hendry escreveu, "O que torna isto incomum são as alegações de movimento rápido pelo céu - especialmente rápido dada a grande altitude".

Embora os relatos sul-americano tenham sido publicados na época em que ocorreram, não foi antes de maio de 1981 que Henry Gris obteve informação da fase russa do caso. Sua história, baseada em uma viagem pessoal à USSR e encontros com ufologistas lá, apareceram no National Enquirer em 7 de julho de 1981, e de forma expandida na revista italiana Gente algumas semanas depois; a última foi a fonte de um destaque em janeiro de 1982 da Flying Saucer Review. Embora Gris soubesse da fase sul-americana - de fato ele foi o primeiro pesquisador UFO conhecido a conectar as duas fases - ele não mencionou isto em seus artigos na época ou depois.

Intrigado pela natureza global do caso, eu enviei uma carta a duas dezenas de especialistas em 30 de setembro de 1981.

"Notem que as duas regiões estão conectadas por um grande círculo que está inclinado ao equador a aproximadamente 65 graus", eu escrevi, "Se a nuvem estava associada a um objeto em órbita terrestre, ela deveria ter levado em torno de uma hora para atravessar a distância da Rússia à Argentina - e estranhamente este é aproximadamente o diferencial de tempo ... Eu ressalto que 63 graus (adicione ou subtraia alguns graus) é a inclinação orbital associada quase exclusivamente com espaçonaves militares soviéticas". As aparições em ambos países podem ter sido iluminadas pelo Sol, não necessariamente com luz própria, porque a grandes altitudes as nuvens ainda estavam iluminadas pelo Sol. Foi pouco tempo depois do pôr-do-sol na Argentina (por uma hora e 20 minutos) e foi durante a época do "sol da meia-noite" no norte da Rússia, quando o Sol está um pouco abaixo o horizonte norte através da noite.

Uma interessante resposta veio do dr. David R. Squires da Smithsonian Institution's Scientific Event Alert Network (o successor do Center for Short-Lived Phenomena). Ele escreveu "Eu observei um fenômeno similar anos atrás quando eu estava trabalhando na estação Smithsoniana de rastreamento de satélite em Woomera, Austrália [em 1967-69]. Esta nuvem particular estava associada a um satélite americano que havia acabado de ser lançado em órbita terrestre do Cabo Kennedy. Nós havíamos preparado uma câmera Baker-Nunn para fotografar o satélite quando ele não apenas apareceu como esta impressionante nuvem acompanhou a carga como se ela estivesse acoplada bem atrás dela. Outros na estação lembram ter visto uma relação similar satélite-nuvem dois anos antes dessa, e foi ainda mais impressionante porque o próprio satélite era visível a olho nu. De seu ponto de observação a nuvem parecia envolver o satélite enquanto ele viajava pelo céu".

Outra contribuição veio de James Cornell, relações públicas do Centro para Astrofísica (anteriormente o Smithsonian Astrophysics Laboratory) em Cambridge, Mass. Seu circular Centerline tinha publicado uma série memorável de fotografias da queima de "injeção translunar" da Apollo-8 quando ele deixou sua órbita estacionária e dirigiu-se para a primeira viagem da humanidade à lua em dezembro de 1968. As fotos, tiradas por uma estação de observação Smithsoniana no Havaí pouco antes do amanhecer no horário local, mostrou uma memorável seqüência de formas e nuvens à medida que o foguete foi ativado e então desativado. outra série de fotografias mostrou os terceiros estágios Saturno bem longe no espaço, expelindo grandes nuvens de propelente excedente em 1969.

O dr. Patrick S. Osmer, diretor do Observatório Inter-Americano em Cerro Tololo, Chile, forneceu um caminho ainda mais valioso. Ele não tinha dados sobre o evento de 14 de junho mas escreveu "Nós tivemos um evento proeminente visto de Tololo em 12 de fevereiro aproximadamente às 2:00 horas UT [Universal Time]. Foi uma nuvem verde luminosa de apreciável extensão angular que flutuou pelo céu -. Tais nuvens são vistas aqui de tempos em tempos.

Assim com a hipótese de satélite aparentemente sendo um caminho promissor, eu fiz uma lista de lançamentos espaciais que ocorreram em torno de 14 de junho (a nuvem sinalizava um evento relativamente novo, recente) e escrevi para o NASA Goddard Space Flight Center em Greenbelt, Md,, por dados de rastreamento dos quais eu pudesse extrair a hora de lançamento e a trajetória real através da face da Terra buscando vários objetos candidatos e seus boosters. Eu esperava que um deles iria corresponder ao tempo e direção do hipotético "satélite-nuvem" russo-argentino.

Um correspondeu: o soviético "Kosmos-1188", lançado de Plesetsk em torno de 11:55 da noite em 14 de junho (a testemunhas ocular Bozhich notou a hora exata de desaparecimento de seu OVNI vermelho crescente como "11:58 da noite", depois de alguns minutos de observação), tinha voado através da América do Sul uma hora depois. Foi um momento de regozijo quando meu plotter dirigido por computador desenhou sua linha de rastro bem sobre os locais de avistamento de OVNI. E a inclinação orbital era exatamente 62.8 graus, muito próximo da minha estimativa original de 65 graus.

A estimativa de Willy Smith, baseada apenas na análise detalhada de relatos de testemunhas oculares, errou por um fator de quatro vezes menos - mas isto não é ruim e foi o trabalho mais acurado feito até aquele ponto. Já que há uma relação linear entre alcance e velocidade absoluta, multiplicando a velocidade estimada de Smith por um fator de quatro nós dá uma escala de quatro a oito quilômetros por segundo. A velocidade real do satélite era um pouco mais de sete quilômetros por segundo - exatamente dentro da escala ajustada que Smith havia calculado.

Enquanto isso um fio de mistério aparentemente independente estava prestes a ser trançado na grande tapeçaria da solução. Smith havia informado para mim que ainda outro OVNI de "auréola esfumaçada" havia sido visto e fotografado na tarde de sábado, 31 de outubro de 1981. De acordo com a história (que foi destaque em duas edições do boletim APRO), o OVNI foi visto em três províncias argentinas e em Arica, Chile, às 9 horas da noite. No Observatório Felix Aguilar um oficial disse que o OVNI (com a "clássica" forma de um "disco voador") cruzou o céu a uma grande taxa de velocidade, deixou uma trilha luminosa e cintilante e desapareceu no noroeste. Os operadores da torre de controle e pilotos de aviões o observaram apavorados; em Córdoba observadores estimaram que estaria em torno de 600 pés do chão [quase 200 metros]. Sete escaladores de montanha observaram o OVNI a duas ou três milhas de distância [em torno de 3 a 5 quilômetros] que "iluminou toda a área" e enervou as testemunhas enquanto elas foram pegas por seu brilho.

O astrônomo dr. Terry Oswalt (que fotografou o OVNI "nuvem verde" de Cerro Tololo e está agora na equipe da Universidade Estadual de Ohio) mandou-me recortes de jornais locais reportando o avistamento de 11 de fevereiro de 1980. Havia os usuais relatos de luzes brilhantes, com a forma aproximada de letra "A" ou uma estrela com raios irradiando para fora; também notável foi um relato de uma aterrorizante volta montanha abaixo ocasionada pelo medo de um motorista de ônibus de que o disco voador estivesse perseguindo-o. Uma jovem chamada Ximena Sabay relatou que múltiplas pessoas testemunharam interferência em suas televisões causadas pela presença do OVNI.

O próprio Oswalt descreveu o OVNI de detalhadas entradas em seu diário. Embora houvesse a grande e turva nuvem associada com a aparição, a mais brilhantes característica não era a nuvem mas um conjunto de estruturas alojadas em forma de V que se moviam para o norte da direção da ponta do "V". Na ponta do "V" mais externo estava um objeto amarelo brilhante.

Surpreso pelas similaridades dessas aparições à descrita no caso de 14 de junho, eu novamente chequei os registros de lançamentos de veículos espaciais. Eu fiquei maravilhado ao descobrir que todos os três casos se correlacionavam com lançamentos de satélites do programa Kosmos - particularmente com a subclasse relativamente infreqüente consistindo de veículos de "Early Warning" (EW) [Aviso Prévio]. Cada avistamento sul-americano ocorreu a um pouco mais de uma hora o lançamento de um satélite EW de Plesetsk. Não poderia ser uma coincidência. Kosmos-1164 foi lançado às 00:56 UT em 12 de fevereiro de 1980, e a nuvem verde e estrela amarela de Cerro Tololo apareceu às 2:00 UT (10:00 PM horário do Chile); Kosmos-1188 foi lançado às 20:55 UT em 14 de junho de 1980, e foi visto sobre a América do Sul pouco depois das 3:00 PM horário da Argentina (22:00 UT); e Kosmos-1317 foi lançado às 22:48 UT em 31 de outubro de 1981, e foi visto sobre a Argentina pouco depois das 9:00 PM (meia-noite UT).

A seqüência deste tipo de lançamento espacial funciona assim: O booster de quatro estágios "Molnya" decola do oficialmente não reconhecido "Cosmódromo Norte" perto de Plesetsk, com mais de um milhão de libras de empuxo de seus 20 motores (os motores estão agrupados em quartetos no núcleo central e em quatro boosters paralelos acoplados). Depois de vários minutos os quatro boosters caem enquanto o núcleo central continua em vôo (isto é chamado "segundo estágio"). Alguns minutos depois o núcleo exaure seu combustível e se afasta enquanto um terceiro estágio menor carrega a seção superior de oito tonelada e três partes em uma órbita estacionária baixa, e então cai. Voando ao lado, o veículo orbital é pilotado por uma unidade chamada a "plataforma de lançamento" que aponta a montagem na direção certa. O satélite cruza a Mongólia, China, as Filipinas e a Austrália central, então corta o extremo sul do Pacífico antes de se desviar ao norte longe da costa do Chile.

Uma hora depois do lançamento, a uma altitude de 400 milhas [650 quilômetros] sobre o hemisfério sul, um quarto estágio entra em ignição, deixando a "plataforma" para trás e empurrando a si mesmo e à carga de fato em uma órbita ainda mais alta que é lançada a mais de 20.000 milhas sobre o hemisfério norte. Lá o satélite torna-se parte de uma rede que vigia os lançamentos de mísseis americanos e transmite dados de rastreamento em tempo-real aos quartéis generais militares soviéticos.

Os múltiplos rastros de fumaça de lançamento, iluminados por trás por raios de sol avermelhados do sol da meia-noite facilmente explicam o que foi visto sobre a Rússia. De fato, o próprio Bozhich descreveu como o OVNI de 14 de junho era "extraordinariamente similar ao que voou sobre Petrozavodsk na noite de 20 de setembro de 1977" - o infame "OVNI gelatinoso" que foi conclusivamente provado como sendo causado pelo lançamento antes do amanhecer de um Kosmos-955 de Plesetsk do mesmo tipo de booster usado em satélites EW.

O próximo problema era identificar qual peça do veículo de lançamento EW é responsável pela nuvem sul-americana: o terceiro estágio exaurido, a plataforma de lançamento, o quarto estágio ou a própria carga. Significativamente, as três nuvens observadas estavam dentro de lançamentos EW, mesmo que haja muito mais lançamentos do tipo de satélites de comunicação Molniya - e eles seguem uma seqüência de lançamento quase idêntica a dos veículos EW. A única diferença é que nos satélites Molniya a queima do quarto estágio é realizada mais cedo (i.e., 2.000 milhas mais a oeste) na órbita estacionária. A diferença não afeta o comportamento do terceiro estágio já descartado, assim esse candidato pode ser eliminado porque sua trajetória não pode explicar as diferenças observadas entre missões Molniya e EW. Enquanto isso, a plataforma de lançamento e carga provavelmente não carrega propelente em excesso em quantidade suficiente para formar tal tipo de nuvem visível. Assim por eliminação o único suspeito restante é o quarto estágio.

Isso faz sentido já que um lançamento EW estará exatamente completando a queima de seu quarto estágio quando ele passa sobre a costa sul-americana. A nuvem pode se formar imediatamente depois da queima se completar e posteriormente se dissiparia.

O avistamento brasileiro do evento de 14 de junho corrobora esta interpretação. Quatro professores de matemática estavam acampando perto de Aruana, nas margens do rio Arquaia, quando eles viram a nuvem. Em contraste com os avistamentos argentinos, nos quais o objeto transitou pelo céu em minutos (o veículo ainda estava em uma órbita baixa e rápida), os brasileiros viram a nuvem desvanecer no nordeste depois de quase meia hora de observação. Cálculos mostram que o estágio superior em sua órbita ascendente e desacelerada ficaria de fato sobre o horizonte por essa duração quando visto desse local, o mais ao norte das testemunhas relatadas.

Mesmo assim a natureza exata da nuvem não foi estabelecida de forma conclusiva. A teoria de "descarga" permanece apenas uma teoria. As fotografias "Moonwatch" (o programa de observação do espaço levado a cabo pelo Smithsonian em 1957-1975) de boosters S4B Apollo presos à órbita lunar e continuamente em descarga mostram seja nuvens marcadamente assimétricas ou esferas uniformes que parecem mais brilhantes no centro; a nuvem Kosmos-1188 era bem simétrica e era mais brilhante perto da ponta exterior.

Além disso, o tamanho da nuvem Kosmos-1188 (conhecido das fotografias a 1 1/2 graus, a uma distância computada de 1600-2000 quilômetros) era de aproximadamente 30 milhas [50 Km] menos de 10 minutos depois que o estágio parou de queimar. Isto implica uma taxa de expansão de pelo menos 200 mph [90 m/s] e possivelmente muitas vezes maior, um tanto maior que as taxas de expansão das nuvens S-4B vistas pelo "Moonwatch". Isto, ao lado da natureza evidentemente fina da ponta da nuvem, sugere um breve tipo de evento explosivo cuja natureza exata permanece indeterminada. A conexão entre as nuvens aos lançamentos EW entretanto é esmagadoramente persuasiva.

Depois da queima do quarto estágio a carga do Kosmos-EW e o quarto estágio exaurido (e em descarga) dirigiram-se para cima e para o nordeste pela Amazônia e sobre o Atlântico norte. Fotos hemisféricas de satélite mostram que a costa norte da América do Sul estava na penumbra (assim como áreas povoadas do Peru e Equador), eliminando a possibilidade de relatos de OVNI desses locais.

Mas relatos não confirmados alegam que um OVNI foi visto naquela noite em Morocco onde o tempo estava limpo. Cálculos mostram que o Kosmos-EW e material associado estaria iluminado por todo o intervalo de tempo em questão; ele teria ascendido no oeste às 22:16 UT (Morocco está exatamente no Universal Time, assim seria 10:16 PM), derivado para noroeste e alcançado meio-caminho ao zênite às 22:30, então se movido geralmente horizontalmente até que chegasse ao norte às 22:50. Então o alcance seria maior que 8.000 milhas [13.000 Km] e a nuvem teria se dispersado completamente.

Por que o repentino assalto deste tipo essencialmente novo de estímulo OVNI sobre a América do Sul? Escrevendo no início de 1982, o perito em operações espaciais soviéticas Nicholas L. Johnson notou: "Durante os últimos dois anos, a rede de satélites de aviso prévio [EW] passou por uma transformação dinâmica de um programa experimental, inicial para uma constelação operacional quase completa (rede orbital). Embora o programa tivesse começado em 1972, não foi antes de 1980 que haveriam mais de três satélites operacionais ao mesmo tempo."

Os números de lançamentos contam a mesma história: houveram seis lançamentos EW em 1981 e seis outros em 1980; antes disso houveram apenas dois por ano em 1979, 1978 e 1977.

A uma altitude de 400 milhas [650 Km], onde a queima do último estágio ocorre, os veículos teriam sido iluminados pelo sol por pouco mais de duas horas depois do pôr-do-sol local ou antes do nascer do sol local para observadores diretamente abaixo deles. Tomando um gráfico do nascer e pôr-do-sol através do ano em Buenos Aires, adicionando uma margem de duas horas de aurora (um pouco mais no verão) e traçando os vôos reais Kosmos-EW de 1972 ao presente, nós descobrimos que apenas dois recaem nessa faixa de visibilidade: Kosmos-1188 em 14 de junho de 1980 e Kosmos-1317 em 31 de outubro de 1981. Ambos causaram relatos de OVNI.

O Kosmos-1164 (12 de fevereiro de 1980 UT; 11 de fevereiro no Chile) estava perto do limite - e talvez devesse recair nele por causa dos efeitos do "sol da meia-noite"; mas sua presença parece conectada primariamente com o fato de que foi um fracasso (ele aparentemente não alcançou a órbita alta pretendida), provavelmente devido a uma queima de foguete atrasada e mal dirigida. As chamas de foguete causaram relatos de OVNI nesse caso, embora queimas Kosmos-EW normais ocorram baixo no céu ocidental como visto do Chile. Significativamente, a chama foi relatada como amarela, a cor que os propelentes dos boosters assumem quando queimados.

O gráfico de sobrevôos versus aurora mostra que apenas 10 por cento dos lançamentos Kosmos-EW recaem dentro da faixa de visibilidade. A uma taxa de lançamento de seis ao ano isso resulta em aproximadamente uma nuvem visível a cada ano e seis meses em média - e de fato as duas nuvens OVNI maiores foram vistas com 16 meses de diferença. Isto também significa que novos avistamentos estão destinados a ocorrer nos próximos anos. Mas talvez dessa vez eles não ocasionem medo e confusão mas sejam apreciados como um efeito colateral maravilhoso das atividades espaciais da humanidade.

Este tipo de OVI (Objeto Voador Identificado) Kosmos-EW é relevante aos estudos OVNI em geral?

Eu penso que sim. Em primeiro lugar, obviamente, é óbvio que casos de OVNI estrangeiros freqüentemente sejam publicados sem pesquisa adequada e as testemunhas freqüentemente se enganam ao relatar movimento, tempo e aparência.

Outro grande fator é que há excessivos relatos de OVNI para ser levados em conta por uma pequena quantidade de investigadores em tempo parcial qualificados. Como uma conseqüência muitos OVNIs devem continuar não-identificados simplesmente pela falta de uma investigação imediata, comprometida e bem-versada. A existência de uma grande variedade de fenômenos prosaicos que podem ser confundidos com OVNIs requer estudo por um número correspondentemente grande de especialistas. (Minha especialização, por exemplo, são operações orbitais e o programa espacial soviético, assim eu comecei minha pesquisa com uma distinta vantagem). Estes especialistas geralmente não estão nem disponíveis nem dispostos a aplicar seu conhecimento (ou sequer sabem que seu conhecimento é necessário) em relatos de OVNI apropriados. Que os casos que eu descrevi tenham sido de fato solucionados é algo raro, quase um acidente - não é nenhuma surpresa, o cético pode justificadamente argumentar, que tantos outros permaneçam não resolvidos.

Todos os relatos estranhos (e obviamente espúrios) de OVNIs Kosmos-EW causando perseguições de aviões e ônibus, encontros com ufonautas, interferência em televisões, avistamentos por radar, tentativas de interceptação por aviões a jato, mensagens telepáticas (Bozhich relatou isso), mudanças de curso em zigue-zague e afins, reforçam os argumentos de céticos que descartam detalhes similares conectados com outros relatos de OVNI menos bem documentados. Quando um ufologista pergunta "Como esses aspectos do caso podem ser explicados?" os céticos podem responder "Eles não precisam ser explicados. Eles são apenas ruído aleatório, coincidências e enfeitamentos que não têm nada a ver com o estímulo original".

Mas eu não pretendo terminar este artigo em uma nota negativa. Afinal, a maioria dos relatos de testemunhas oculares mostraram ser substancialmente corretos e consistentes com o fenômeno real. Felizmente nestes casos houve relatos suficientes para que eles pudessem ser "normalizados" e aqueles desviantes puderam ser identificados e ignorados. Já que um estímulo amplamente documentado pôde ser conectado aos relatos, foi possível calibrá-los em uma situação peculiar no mundo das investigações e análises OVNI.

Portanto o grande OVNI russo-argentino de 14 de junho de 1980 certamente merece ser reconhecido como um "OVI clássico" e como um estudo de caso instrutivo em técnicas de pesquisa e análise de testemunhos.
***
James Oberg é um especialista espacial em Houston e palestrante e escritor em astronomia e ciência espacial.
Veja mais nesta seção
[ Índice ] [ OVNIs: A Hipótese Psicossocial ] [ Por que começamos a chamá-los de Grays? ] [ Seqüestrados por OVNIs? ] [ Completamente Impredispostos ] [ De onde vêm os ETs? ] [ A maldição das múmias espaciais ] [ Os gnomos das cuecas e a UGOlogia ] [ Discos que aumentam ] [ Projeto SETI x Ufologia ] [ À procura de OVNIs verdadeiros ] [ O que é Shmoo? ] [ A Invasão de Wells ] [ Uma Guerra de Palavras ] [ Ceticismo e Ufologia ] [ OVNIs nucleares ] [ O Pesadelo Médico de Betty Hill ] [ Alienígenas na Ficção-Científica ] [ Redondamente Errados ] [ OVNI Gigante sobre Dois Continentes ] [ A UFOmania de Illinois em 1897 ] [ Benzinho, lembra do meu nome ] [ A Ameaça da "Meleca" Alienígena ] [ Kenneth Arnold, 'Discos Voadores' e Vôo Ondulante ] [ Abduções e predisposição em pesquisa ] [ Mito-Ufologia: Estimulante para o cérebro ] [ Os Olhos que Falavam ] [ Os Ufólogos Alienistas ] [ Stendec! O sumiço e o encontro do Stardust ] [ Fala sério... A Experiência UFO como um Teatro ] [ Passado e Futuro - Ciência e Ufologia ] [ Um Fenômeno Plástico ] [ Discos Movidos a Hélice ] [ Estudos de Caso em Más interpretações de "OVNIs" por pilotos ] [ De Fugos a UFOs ] [ Magic vs. "Majic" ] [ O Homem Que Inventou os Discos Voadores ] [ UFOs Cadentes ] [ EBEs Aquáticas ] [ Canetas BIC e extraterrestres ] [ Abduções Alienígenas: Aspectos Históricos ] [ Pessoas de uma Forma Diferente ] [ O OVNI da Ilha de Trindade: Um estudo detalhado das Fotografias 1 e 2 ] [ O Fogo Criativo ] [ Um diálogo sobre Vênus ] [ Notas sobre a Visão de Ezequiel ] [ O Mito dos UFOs Nazistas ] [ Piu-Piu e a Grande Conspiração Universal ] [ Relatos de OVNIs ] [ Para entender os extraterrestres ] [ Mergulhando na Terra ] [ Era a Bruxa Malvada uma Astronauta? ] [ Ventosas Alienígenas ] [ Mitos Populares sobre Roswell ] [ El OVNI de la Isla Trinidad ] [ Trindade: Dúvida, Boatos e Fraude ] [ O Incrível Dirigível de 1896 ] [ Os Incidentes OVNI da Apollo 11 ] [ Arte e OVNIs? Não, obrigado, só arte... ] [ Arte e OVNIs? Não, obrigado, só arte... ] [ Entrevista: Martin Kottmeyer ] [ Os OVNIs de Vórtice ] [ O Abominável ET de Ponta Grossa ] [ Imagens fora de foco ] [ Por que os UFOs Preferem a Noite? ] [ Houston, temos uma fraude ] [ O Marciano que usava Zíper ] [ Terror! Extraterrestres invadem festa de aniversário! De novo! ] [ O Ovo do ET e a Bola de Cristal ] [ Investigação OVNI ] [ Abduzidos ] [ Roswell: Avaliando o mito ] [ A Lua é uma Base OVNI (com Bebês Gigantes)? ] [ Fabricando OVNIs ] [ O caso de Billy Meier ] [ A tal da "Onda OVNI Belga" ] [ O Primeiro Marciano ] [ Gauche Encounters ] [ Por que 1947? ] [ Discos voadores e Frank Scully ] [ As Luzes de Phoenix ] [ Os ETs deselegantes ] [ ETs nada fotogênicos ] [ Os OVNIs de Sabão ]

DIÓXIDO DE CARBONO

Hubble encontra dióxido de carbono em planeta extrassolar


Ainda que a fama do dióxido de carbono (CO2) não ande muito boa aqui na Terra, é bom não esquecer que este é um gás essencial à vida. Pelo menos às formas de vida existentes na Terra. Daí a importância do achado que acaba de ser feito por meio de imagens captadas pelo Telescópio Espacial Hubble: os pesquisadores descobriram dióxido de carbono na atmosfera de um planeta orbitando uma outra estrela que não o Sol, um assim chamado planeta extrassolar.

O planeta é o HD 189733b, do tamanho de Júpiter e quente demais para sustentar a vida - sempre na definição terrestre de vida. Mas as observações do Hubble são uma comprovação de que a química básica da vida pode ser detectada em planetas muito distantes, orbitando outras estrelas. Os compostos orgânicos - como o CO2 - também podem ser um subproduto de processos de vida. Os cientistas esperam um dia detectar sua presença em um planeta extrassolar mais parecido com a Terra, no que poderia ser a primeira evidência direta da existência de vida fora do nosso planeta. Observações anteriores feitas pelo Hubble pelo telescópio Spitzer no mesmo planeta HD 189733b já haviam detectado vapor de água. No início deste ano, o Hubble encontrou metano na atmosfera do planeta.

"O Hubble foi concebido primariamente para observações do universo distante e, ainda assim, ele está abrindo uma nova era de pesquisas na astrofísica e na ciência comparada dos planetas", diz o cientista Eric Smith, da equipe do telescópio espacial. "Estes estudos atmosféricos começarão a determinar a composição e os processos químicos em andamento em mundos distantes orbitando outras estrelas. O futuro dessa nova fronteira da ciência recém aberta é extremamente promissora, na medida que esperamos descobrir muitas outras moléculas em atmosferas de exoplanetas", concluiu o cientista.
Autor: Equipe Inovação Tecnológica
Fonte: Site Inovação Tecnológica
Crédito da foto: Imagem: ESA, NASA, M. Kornmesser (ESA/Hubble), and STScI

O SACI-PERERÊ, O DUENDE mais popular do BRASIL

Saci é o duende mais popular do Brasil. Sua lenda ocorre no Sul, no Centro e no Norte do Brasil.

Gozando da faculdade de se transformar, como todos os personagens elementais, ora é visto sob a forma de um pequeno tapuio, sozinho ou acompanhado por uma horrível megera, ora como um negrinho unípede, de barrete vermelho que aparecia aos viajantes extraviados na floresta, mas pode ainda, aparecer disfarçado de uma ave. Na maioria das lendas Tupis, o Saci é encontrado na forma de um pássaro. Distingue-se pelo canto, que consiste em duas sílabas: "sa-cim".

O cântico dos pássaros sempre esteve ligado ao fato da crença greco-romana dos augúrios que se julgava poder tirar-se da aparição, do vôo ou do canto das aves.

Quando os Tapuias ouviam o canto do Saci, os velhos o esconjuravam, as crianças procuravam o aconchego do colo de suas mães, os pais tremem, mas não negam o fumo que espalham pelas cercas dos quintais, para que o Saci se cale e se retire, levando com que satisfazer o vício de fumar.

LENDA DA ORIGEM INDÍGENA DO SACI

Um tuixaua tinha dois filhos. O tio odiava os sobrinhos e convidou-os para ajudá-lo em uma derrubada de árvores para fazer um plantio. Os dois sobrinhos aceitaram.

Chegando na floresta, o tio embriagou os jovens e os assassinou por pura maldade.

Depois um dos assassinados perguntou ao outro:

-"Eu tive um sonho muito estranho e tu o que sonhaste?"

-"Sonhei, diz o outro, que nos lavávamos com carajuru".

-"O mesmo sonhei eu".

E resolveram voltar para a casa da avó. Vendo-os, a velha já ia aquecer o jantar, mas os dois netos disseram:

-"Ah! nossa avó, nós não somos mais gente, e sim só espíritos. Assim, sendo, nós teremos que te deixar, mas quando ouvires cantar: Tincauan...Tincauan!...foge para casa. Mas quando cantarmos: Ti....Ti...Ti...., então nos reconhecerás.

Ficaram os jovens, desde então, mudados em dois pássaros de agouro, de mistério e de morte. Um é Saci, o outro é o Matintaperera. Ambos nascidos de uma tragédia, só espalham desgraças e semeiam pavores.

Impondo-se à crendice popular como um pássaro possuído pelo demônio, o Saci, adquiriu feições de gente e à noite vagueava pelas estradas, cantando e assobiando.

Contam que nos tempos coloniais, quando se avistava uma moça magra, triste, pálida, logo diziam:

- "Isso é obra de Saci", porque, segundo os velhos colonos, as moças se apaixonavam por ele, sendo a morte a conseqüência inevitável desta paixão. Daí as quadrinhas consagradas no folclore popular:

"Menina, minha menina,

Quem te fez tão triste assim?

De certo foi Saci

Que flor te fez do seu jardim."

Sua imagem e sua lenda, sofreram transformações quando em contato com elementos africanos e europeus. Suas características comportaram muitas variantes. Cada qual o vê a seu modo. De suas diabruras foram narradas coisas espantosas. Não se têm conta do número de molecagens e sortilégios que o diabinho infantil praticou. À noite dava nó na crina dos cavalos, roubava os ninhos das galinhas, cuspia nas panelas quando a cozinheira era preta, deixava as porteiras abertas, assobiava como o vento nas janelas e nas portas, etc.

O cavalo era uma das suas vítimas preferidas. Segundo a crendice popular, o Saci corre as pastagens, lança um cipó no animal escolhido e nunca errou, trança-lhe a crina para amarrar com ela o estribo e, de um salto, ei-lo montado. O cavalo toma-se de pânico e deita a corcovear campo a fora, enquanto o Saci lhe finca o dente no pescoço e chupa seu sangue.

Uma curiosidade em relação ao Saci-Pererê é que ele pode tornar-se invisível com o uso do sua carapuça vermelha. Contam alguns, que onde se forma um redemoinho de vento que levanta muito poeira (pé de vento), é certo que dentro dele há um Saci. Para capturá-lo, deve-se jogar dentro dele um rosário ou uma peneira. Todo o Saci, como todo o diabinho, tem horror de cruz. Já outros, afirmam que ele usa um barrete feito de marrequinhas (flores da corticeira) e é o Saci que governa as moscas importunas, as mutucas e os mosquitos.

Mas porque nosso Saci tem uma perna só?

O Saci é considerado um fiel representante de um período social da história do Brasil: a época da escravidão. Portanto, não é por acaso que o Saci apresenta-se com uma perna só, pois todos os escravos fugidos que eram recapturados passavam por muitas torturas e muitas vezes eram esquartejados. O Saci retrata este negro escravo em sua luta contra o dominador e o discriminador. A falta da perna não é só metáfora, mas sim algo que realmente acontecia nesta época e passou para o folclore a partir das amas negras, ao contarem suas estórias para embalar os sonhos das crianças brancas.

Com o passar do tempo, a imagem do Saci rebelde e desordeiro, foi amenizada, forçosamente controlada e passou então para estória brasileira como um símbolo nacional, um mestiço que une classes sociais e as etnias. Mas sabemos que a verdade não é bem essa....!

O valioso livro "Contos Populares" de Lindolfo Gomes, conta-nos um curioso caso, em que domina o Saci. E, das eruditas notas explicativas, transcrevemos:

"A respeito do Saci, há uns que afirmam ser um negrinho de uma banda, ou de uma perna só, gênio em alguns casos benfazejo e protetor e em outros, perverso e malfazejo, que vaga à noite pelas estradas a perseguir os viajantes ou penetrar nos lares para praticar toda a sorte de malefícios e acender seu cachimbo, sempre armado de um cacetinho, pronto a descarregá-lo no lombo alheio. Já para outros, o Saci é um passarinho cabuloso e maléfico. Percebe-se logo que este mito saci foi com o decorrer dos tempos se ampliando de elementos míticos estranhos, como por exemplo, os da Escócia, com os quis, segundo Ramiz Galvão, muito se assemelha o "Trilby", do conto de Nodier e o diabrete "Robin", de que nos fala Shaskespeare, ora tão prestativo e ora tão perverso para com a gente da casa em que se instala."



Há também ainda, quem lhe pinte com feições mais perversas, descrevendo-o como o "terror dos caçadores", que salta à garupa dos cavaleiros, chibatando-os e torturando-os.

Foi Monteiro Lobato em seu livro "O Saci", quem mais popularizou este personagem, como uma entidade travessa. Conta-nos que ele nascia em um local da floresta conhecida como "sacizeiros", constituída de bambuzais. Desse local só sairá quando completar 7 anos e viverá até os 77.

Mas mesmo Lobato não conseguiu com sua obra apagar os traços estigmatizantes do Saci, pois a mentalidade da escravidão ainda era muito forte. Tais marcas só desaparecem bem mais tarde, quando a indústria cultural consegue domesticar o Saci e torná-lo tão somente um molequinho arteiro, que perdeu seus poderes mágicos e sua agressividade.

Serão suas travessura que lhe garantirão popularidade em todo o País e fora dele também. Conheça um pouco da sua estória....

O SACI E A PERNA DE PAU

Conta-se que numa noite, há muito tempo atrás, em que outros homens se divertiam jogando e bebendo, um deles, chamado Felício, resolveu dar umas voltar e se deliciar com o luar. Sentou-se num grosso tronco de ipê, a beira do riacho e começou a preparar um "pito". Foi quando ouviu uma vozinha:

- "Moço, tem um pouco de fumo aí?".

Pensando que fosse um de seus amigos, virou-se p

ara responder, quando deu com o Saci. Ele lhe sorria segurando um cachimbinho vazio.

Felício, ficou branco, depois verde, um arco-íris de cores, tamanho foi seu susto. Quis gritar, mas sua voz sumiu por encanto, ou medo mesmo. O Saci chegou mais perto e disse:

- "Não tenha medo, meu amigo. Só quero um pouco de fumo."

Felício faz um esforço danado e tira do bolso um pedaço de fumo.

- "Aqui está!". Diz ele ao Saci, mal conseguindo balbuciar as palavras.

- "Assim não serve. Respondeu o diabinho. "Tem que ser picado, pois não tenho canivete".

Com medo de irritar o Saci, o pobre homem tratou de fazer rapidinho o que ele lhe pediu. Depois, com muito sacrifício, Felício deu o fumo ao Saci.

- "Encha o pito!"

- "Agora acenda!". Ordenou ele.

O Saci passou então, a dar baforadas de satisfação. Passados alguns minutos, o danadinho chegou mais perto e perguntou a Felício o que estava fazendo tão longe de casa. Felício explicou então que trabalhava com madeiras e foi contando sua história... No final o Saci deu uma grande risada e disse:

- "Madeira, não é mesmo? Pois é justamente o que eu estava procurando..."

- "Mas para que?" Pergunta Felício.

- "Olhe, pois vou lhe confessar uma coisa, as vezes tenho muita vontade de ser como as outras pessoas e ter duas pernas, entende?

- "Ah!". Respondeu, compreendendo a intenção do Saci. "Você quer que eu lhe faça uma perna de pau, não é mesmo?"

- "Pois é isso mesmo e te darei três dias para que esteja pronta, senão não darei sossego a você e seus companheiros!" Em seguida saiu pulando e sumiu no meio do mato.

Felício voltou ao seu barracão e contou aos companheiros o acontecido. Uns acreditaram ,outros acharam que tinha bebido demais.. Até que Felício acabou esquecendo o caso. No terceiro dia, conforme prometido, quando os homens estavam em pleno trabalho, eis que um menino de gorro vermelho surgi à porta do barracão. Quando deram com ele..vocês nem podem imaginar..uns empurravam os outros, caiam, levantavam-se e acabaram saindo todos pela abertura da janela. Apenas Felício ficou lá, estarrecido! Daí perguntou:

- "O que você quer?"

- "Ora, ora. Então não sabe? Vim buscar minha perna de pau, lembra-se? Não vá dizer que ainda não está pronta?"

Felício gaguejou, atrapalhou-se todo até que consegui dizer que ainda não estava pronta. O Saci xingou, esbravejou, mas acabou indo embora com a promessa que tudo estaria pronto dentro de mais três dias.

Felício saiu atrás dos homens. Gritou um tempão até conseguir reunir todos. Eles não queriam ficar mais no barracão. Não queriam nada com o Saci. Ajudar a fazer a perna dele? Nem sonhando! Mas acabaram concordando, pois era a única maneira de se livrar do diabinho.

Trabalharam com afinco. No dia marcado, o Saci voltou e ficou muito contente. Todos suspiraram aliviados. Mas pensam que a estória acaba assim? Que nada! Ele falou que desejava uma perna para cada Saci de sua família. Não esperou resposta, deu um assobio e logo o barracão ficou cheio de sacis. É claro que Felício ficou sozinho! Não vendo outra saída, ele concordou em fazer as pernas de pau, mas ia levar anos. Quis saber então quais os Sacis que iam ser atendidos primeiro. Aí sim o tumulto foi grande, ninguém queria ser o último.

Foi quando Felício teve uma idéia. Ele viu uma enorme arca que haviam trazido para deixar no rancho e mentalmente resolveu a situação.

Dirigiu-se ao Saci-chefe:

- "O melhor modo de resolver quais serão os primeiros é este..." Pegou um punhado de feijão e esparramou no fundo da arca. Depois disse que quem pegasse mais grãos seriam os primeiros. Todos os Sacis concordaram e mergulharam na arca. Mas Felício havia esquecido do Saci-chefe. Foi quando então tirou-lhe da mão a perna de pau e atirou-a dentro da arca. O Saci nem piscou e também se jogou dentro da arca. O Felício então fechou-a. Chamou os homens e levaram a arca o mais longe possível. Desde então nenhum Saci apareceu mais por aquelas bandas.

Lendas sobre o Saci são encontradas no Sul, Centro e Norte do País.

O folclore teceu em torno dessa personalidade mítica inúmeros recontos.

Saci é um duende cheio de malícia brejeira, uma eterna criança negra com muitos sonhos de liberdade, que hoje deixa muitas saudades...

Texto pesquisado e desenvolvido por

Rosane Volpatto

O CONDE DE SAINT-GERMAIN
Saint-Germain: The Immortal Count

The Count of St-Germain. Doug Skinner. FORTEAN TIMES: 2001
In PARANORMAL ABOUT | HUMAN ENIGMAS
trads. pesq. & texto.: Ligia Cabús | Mahajah!ck

Dois retratos famosos: o primeiro, de autor desconhecido, é o único considerado verdadeiramente de Saint-Germain, produzido em sua temporada de dois anos em Versalhes. O segundo é uma fotografia cuja legenda diz tudo: Saint-Germain é o cavalheiro à esquerda de Madame Blavatsky. No Souvenirs de Marie Antoinette, da condessa d'Adhemar, temos uma excelente descrição do conde, a quem Frederico, o Grande se referia como "o homem que não morre":

"Em 1743 propagou-se o rumor de que um estrangeiro, enormemente rico, a julgar pela magnificência de suas jóias, acabara de chegar a Versalhes. Ninguém jamais foi capaz de descobrir de onde viera. Sua figura era bem proporcionada e graciosa, suas mãos delicadas, seus pés pequenos, e as pernas bem formadas, realçadas por meias de seda bem justas. Seu vestuário bem talhado sugeria uma forma de rara perfeição. Seu sorriso mostrava dentes magníficos, uma bonita covinha marcava-lhe o queixo, seu cabelo era negro e o olhar doce e penetrante. E, oh, seus olhos! Jamais vi semelhantes. Ele parecia ter cerca de quarenta ou quarenta e cinco anos de idade". Manly P. Hall


Será possível para um homem alcançar a imortalidade? Esta é a crença impressionante que envolve a histórica figura conhecida como Conde de Saint-Germain. Registros de seu nascimento situam seu nascimento no século XVII [anos 1600] mas, alguns, acreditam que sua longevidade recua à tempos anteriores à Era Cristã. Ele aparece muitas vezes ao longo da História mesmo recentemente, na década de 1970, sempre aparentando cerca de 45 anos de idade. Foi conhecido de muitas figuras notáveis da Europa, como Casanova, Madame Pompadour, Voltaire, o rei Luís XV, Catarina, a Grande, Anton Mesmer e outros.

Origens ─ A genealogia compilada por Annie Besant [teósofa] para o livro The Comte De St. Germain: The Secret of The Kings, assegura que o homem que ficou conhecido como Conde de Saint-Germain era filho de Francis Racoczi II, príncipe da Transilvânia, sua terra natal. Sua data de nascimento como Saint-Germain é estabelecida em 28 de amio de 1696. Outros relatos, considerados menos sérios, dizem que ele já vivia na época de Jesus; que esteve presente nas Bodas de Canaã, quando o jovem Messias transformou água em vinho; também teria assistido o Concílio de Nicéia, em 325 d.C..

Uma opinião unânime é que Saint-Germain dominava a Alquimia, a ciência mística que se trata do controle dos Elementos e cujo principal objetivo é encontrar a fórmula da famosa Pedra Filosofal ou Pedra dos Filósofos da qual, diz a tradição, se adicionada na fusão de metais ordinários, transforma-os em ouro ou prata. Além disso, a Pedra, pulverizada, compõe a fórmula do Elixir da Longa Vida. O preparo deste elixir, a descoberta deste grande segredo da alquimia, é a grande proeza atribuída ao Conde de Saint-Germain: esta seria a explicação de sua misteriosa longevidade.

Na Corte Européia ─ Na Europa, em 1742, o Conde de Saint-Germain era um personagem de destaque na alta sociedade. Ele tinha passado cinco anos na corte do Xá da Pérsia onde aprendeu a arte da joalheria. Ele conquistou os ricos e a realeza com seu vasto conhecimento de ciência e história, sua habilidade musical, seu charme, encanto pessoal e inteligência rápida. Falava fluentemente muitas línguas: francês, alemão, holandês, espanhol, português, russo e inglês além de ser familiarizado com o chinês, latim e árabe bem como o grego e o sânscrito.

Sua extraordinária sabedoria, sem dúvida contribuiu para que se tornasse um homem notável mas uma anedota [um caso muito divulgado], de 1760, pode ter gerado a lenda de que Saint-Germain era imortal. Naquele ano, em Paris, a Condessa von Georgy ouviu dizer que um Conde de Saint-Germain havia chegado para uma festa na casa de Madame Pompadour, amante do rei Luís XV, da França.

A velha condessa estava curiosa porque tinha conhecido o Conde de Saint-Germain em 1710. Ao encontrar Saint-Germain ficou completamente espantada: era jovem demais! Certamente, conhecera o pai dele em Veneza... ─ Não, madame ─ disse o conde. ─ Mas eu mesmo vivia em Veneza no fim do último século e começo deste século e tive a honra de fazer-lhe a corte na ocasião...

─ Impossível! ─ replicou a condessa ─ O conde de Saint-Germain que eu conheci naqueles dias tinha 45 anos mais ou menos e você, para ter 45 hoje!

─ Madame, eu sou muito velho ─ explicou o conde, sorrindo.


LENDAS...

Na época de Luís XV, em Versalhes [1758], além de ser conhecido como ourives e lapidador, trabalhava a tintura em tecidos de modo que jamais desbotavam.

Dizem que certa vez, o Conde de Saint-Germain assombrou a corte do rei Luís XV, quando o rei reclamou para si possuir um diamante de tamanho médio que, por ter um pequeno defeito, valia apenas seis mil libras e que, se tal falha não existisse, valeria pelo menos o dobro. Saint-Germain solicitou a pedra e, após um mês, devolveu-a ao joalheiro real, com o mesmo peso, sem que apresentasse a mínima anomalia. WIKIPEDIA

Os diamantes que decoravam seus sapatos valiam a soma considerável de duzentos mil francos. [Idem] O único retrato conhecido de Saint-Germain data da época em que freqüentou Versalhes, entre 1758 e 1760. O autor do retrato é desconhecido. The Count of St-Germain. Doug Skinner, 2001 ─ In FORTEAN TIMES

O nome, Saint-Germain, não seria herdado de família, mas inventado por ele mesmo, versão francesa para o latim Sanctus Germanus ou Irmão Santo.


POUCOS LIVROS

Apesar da erudição, o Conde de Saint-Germain não deixou muitos escritos. Dois destes raros trabalhos são: La Tres Sainte TrinosoPhie [A Santíssima Trinosofia ou A Santíssima Sabedoria Tríplice], encontrado na Biblioteca de Troyes e La Magie Sainte [França], na Philosophical Research Society [Inglaterra], ambos "dedicados inteiramente aos segredos mais profundos da tradição esotérica" [Manly P. Hall, 2003].

Sobre a Trinosofia, comenta Hall [2003]: "Este manuscrito único, La Tres Sainte TrinosoPhie, é de máxima importância para todos os estudiosos da maçonaria e das ciências ocultas. Não só é o único escrito místico do conde de Saint-Germain, como também é um dos documentos mais extraordinários relativos às ciências herméticas jamais compilado".

Saint-Germain possuía uma magnífica biblioteca e sabe-se que escreveu sobre ciências ocultas, especialmente textos que foram usados por seus discípulos.

Quando o Conde morreu, estes escritos desapareceram, possivelmente recolhidos, tirados de circulação por membros da sociedade secreta à qual pertencia Saint-Germain, ainda que tal Sociedade seja um outro mistério para alguém que fez parte de tantas.

Sempre Presente ─ Velho, Jamais

Nos 40 anos subseqüentes, naquela segunda metade do século XVIII, Saint-Germain viajou intensamente percorrendo toda a Europa. Aqueles que o encontraram e reencontraram ficavam impressionados com suas muitas peculiaridades e habilidades:

  • Tocava violino como um virtuoso

  • Era um pintor de talento, considerado perfeito

  • Onde que que estivesse, em suas viagens, sempre instalava um elaborado laboratório, presumivelmente para seu trabalho em Alquimia.

  • Parecia ser e vivia como um homem rico, de grande fortuna; todavia, não tinha contas em bancos.

  • Participava freqüentemente de jantares com amigos porque gostava da companhia deles mas, raramente foi visto comendo em público. Ele se mantinha, diziam, com uma dieta de farinha de aveia!

  • Médico, curandeiro, mago, prescrevia fórmulas para remover as rugas e tingir os cabelos.

  • Amava pedras preciosas e muitas de suas roupas, incluindo os sapatos, eram adornados com elas.

  • Conhecia uma técnica perfeita de colorir as gemas.

  • Dizia que podia fundir vários diamantes pequenos e obter um grande. Dizia também que podia produzir pérolas de diferentes tamanhos.

  • Relacionava-se ou foi relacionado com várias sociedades secretas, incluindo Rosacruzes, os Freemasons, Society of Asiátic Brothers [Irmãos Asiáticos], Cavaleiros da Luz, os Iluminati e a Ordem dos Templários.

Voltaire, o renomado filósofo do século XVIII, ele mesmo um respeitado homem da ciência, da razão, um homem do Iluminismo, teria dito sobre Saint-Germain: "É um homem que nunca morre e que conhece todas as coisas". Ao longo do século XVIII, o Conde de Saint-Germain continuou a usar seu espantoso conhecimento do mundo em meio às intrigas políticas e sociais da elite européia:

  • Na década de 1740, foi um diplomata conceituado na corte do rei Luís XV desempenhando missões secretas na Inglaterra.

  • Em 1760, cumpriu missão similar em Hague [Haia ─ Holanda], onde encontrou o famoso sedutor Giacomo Girolamo Casanova. Sobre Saint-Germain, Casanova disse: "Esse homem extraordinário... eu poderia dizer que ele tinha, com certeza, uns 300 anos de idade. Conhecia os segredos da medicina universal e dominava a Natureza; ele podia derreter diamantes... Tudo isso era brincadeira para ele".

  • Em 1762 ele viajou para a Rússia onde, se diz, participou da conspiração que colocou Catarina, a Grande, no trono. Depois, foi conselheiro do Exército Imperial Russo na guerra contra a Turquia [que os russos ganharam].

  • Em 1774 Saint-Germain retornou à França quando Luís XVI e Maria Antonieta ocuparam o trono. Diz a lenda que ele advertiu os monarcas sobre a Revolução que eclodiria 15 anos depois.

Em 1779 ele foi a Hamburgo, Alemanha, onde tornou-se amigo do príncipe Charles de Hesse-Cassel. Nos cinco anos seguintes, viveu como hóspede daquela corte, no Castelo de Eckernförde e, de acordo com os registros, ali morreu o Conde de Saint-Germain, em 27 de fevereiro de 1784, de pneumonia.


AS MUITAS VIDAS DE SAINT GERMAIN

De acordo com a Teosofia e os Ensinamentos do Mestres Ascensos viveu em diferentes épocas históricas assumindo diferentes identidades, como as dos personagens históricos listados abaixo:

São José, pai de Jesus Cristovão Colombo Francis bacon: algumas vidas de Saint-Germain

Legislador durante a Idade do Ouro da Civilização, na região do Deserto do Saara,em uma colônia Atlante, quando o lugar ainda não era o Deserto, há 70 mil anos atrás.

Sumo-sacerdote em Atlântida, há 13 mil anos atrás, servindo à Ordem do Mestre Zadkiel no Templo da Purificação, localizado onde, hoje, é a ilha de Cuba.

SAMUEL, século 11 a.C., líder religioso em Israel. Profeta, sacerdote e o último dos Juízes hebreus.

SÃO JOSÉ, no primeiro século d.C., marido-tutor de Maria e Guardião de Jesus.

SAINT ALBAN [Santo Albano], a data de seu nascimento é incerta bem como a de sua morte de modo que sua vida fica situada entre os séculos II e III da Era Cristã. Junto com Julius e Aarão, é considerado um dos três mártires cristãos da Bretanha. Alban, que viveu em Verulamium, sendo pagão, acolheu um sacerdote cristão perseguido pelo imperador Diocleciano. Alban salvou a vida do religioso fazendo-se passar por ele e foi decapitado.

PROCLO [Proclus 410-485 d.C.] Atenas. Considerado o mais destacado filósofo neoplatônico, escreveu vasta obra sobre filosofia, astronomia, matemática e gramática.

MERLIN, cuja vida é situada entre os séculos V e VI d.C.., na Bretanha, foi mágico e conselheiro na corte de Camelot, do rei Arthur. MERLIN teria inspirado a criação da Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda.

ROGER BACON, Inglaterra [1220-1292]. Filósofo, reformador educacional e cientista experimental, precursor da ciência moderna por suas exaustivas investigações em alquimia, óptica, matemática e línguas.

SAINT-GERMAIN, ainda agindo sob novas identidades, teria sido o organizador das Sociedades Secretas na Alemanha nos séculos XIV e XV. Está ligado à figura de Christian Rosenkreuz [Rosa-cruz].

CRISTOVÃO COLOMBO [1451-1506], acredita-se, nascido em Gênova, Itália, estabelecido em Portugal, alcançou, com uma pequena frota, a América do Norte, em 1492, sob o patrocínio dos reis espanhóis Isabela e Ferdinando.

FRANCIS BACON [1561-1626], Inglaterra. Filósofo, homem de política, ensaísta e mestre literário, segundo os Ensinamentos dos Mestres Ascensos, seria a verdadeira identidade de Shakespeare além de pai da ciência indutiva, precursor da revolução científica.

Informam, ainda os Mestres Ascensos, que Francis Bacon, após supostamente morrer no domingo de Páscoa, 9 de abril de 1626, assistiu ao próprio funeral, disfarçado. A seguir, teria, secretamente, viajado para a Transilvânia [na época, parte da Hungria; hoje, parte da Romênia] onde se instalou na Mansão Rakoczy, da família real húngara. Em maio de 1864, tendo alcançado sua Ascensão física, ou seja, a imortalidade e eterna juventude, atributos do sexto grau da Iniciação, adotou o nome de Saint-Germain.

Teósofos importantes, além de Blavatsky, afirmaram ter estado com Saint-Germain. Annie Besant o teria encontrado em 1896. C. W. Leadebeater escreveu que também esteve com ele, em Roma, 1926. Saint-Germain teria mostrado à Leadbeater um manto que pertencera a um imperador romano e revelou que, de fato, uma de suas residências era um castelo na Transilvânia. Guy Ballard, fundador do Movimento EU Sou, disse que encontrou Saint-Germain no Monte Shasta, na Califórnia, em 1930.

E ele continua aparecendo! No site Brother Veritus, uma notícia informa que que em 1987, na Pensilvânia [USA], Saint Germain visitou, em pessoa, para o medium, místico Canalisador de Transe [!] Philip Burley a quem instruiu sobre o Caminho Espiritual e desenvolvimento da mediunidade...

SAINT-GERMAIN | WIKIPEDIA

Mas Dizem Que Ele Não Morreu!

Para qualquer outro homem, o registro de óbito de Eckernförde seria o fim da história; mas não para o Conde de Saint-Germain. Ele continuaria sendo visto nos séculos XIX e XX.

  • Em 1785 [um ano portanto depois de sua alegada morte], foi visto na Alemanha com Anton Mesmer, o pioneiro d hipnotismo [ou mesmerismo]. Muitos sustentam que foi Saint-Germain quem instruiu Mesmer na técnica-arte do hipnotismo e do magnetismo pessoal.

  • No mesmo ano [1785], dados oficiais da Maçonaria mostram que a Sociedade escolheu Saint-Germain como seu representante na convenção daquele ano.

  • Depois da Queda da Bastilha, durante a Revolução Francesa, em 1789, a Condessa d'Adhémar disse que teve uma longa conversa com o Conde de Saint-Germain. Ele teria revelado a ela o futuro imediato da França. Em 1821, ela escreveu: "Eu tinha visto Saint-Germain novamente e, a cada vez, mais me espantava. Eu o vi quando a rainha [Antonieta] foi assassinada [executada pela Revolução de 1789], no 18 de Brumário; no dia seguinte à morte do Duque d'Enghien, em janeiro de 1815 e na véspera do assassinato do Duque de Berry. A última vez em que a Condessa o viu foi em 1820 e ele sempre manteve a aparência de um homem de 45 anos...

  • Em 1774 apareceu na Bavária sob o nome de Conde Tsarogy. Em 1776, ainda na Alemanha, tornou-se Conde Welldone, especialista em cosméticos, vinhos, licores e elixires.

Depois de 1821, ao que tudo indica, Saint-Germain pode ter assumido uma outra identidade. Albert Vandam escreve, em suas memórias, ter encontrado um homem muito semelhante a Saint-Germain que se apresentava como Major Fraser. Vandam escreveu:

Ele se apresentava como Major Fraser, vivia sozinho e nunca se referiu à família. Gastava muito dinheiro embora a origem de sua fortuna fosse um mistério para todos. Possuía um maravilhoso conhecimento sobre todos os países da Europa ao longo de toda a sua História. Sua memória era absolutamente incrível e, curiosamente, freqüentemente, dava a entender àqueles que o ouviam, que tinha adquirido conhecimento em outro lugar além dos livros. Ele me disse, com um estranho sorriso que tinha conhecido Nero, falado com Dante e outras proezas.

O Major Fraser desapareceu sem deixar traço. Entre 1880 e 1900, o nome de Saint-Germain ressurgiu quando membros da Sociedade Teosófica, incluindo sua fundadora, Helena Petrovna Blavatsky, revelaram que o misterioso personagem estava vivo e trabalhando "pelo desenvolvimento espiritual do Ocidente". Atestando a veracidade da informação, existe até uma fotografia, alegadamente genuína, onde aparecem Balvatsky, Saint-Germain e os Mestres El Moria e Kuthumi.

Em 1972, um homem apareceu declarando ser Saint-Germain [o quê, em si mesmo, é um fato suspeito]. Seu nome era Richard Chanfray. Virou atração na TV francesa onde, fez o seu show, transformando, aparentemente, chumbo em ouro diante das câmeras. Chanfray cometeu suicídio em 1983 [o que desacredita completamente sua suposta identidade com o Conde porque o suicídio e também o show na TV não atitudes coerentes com a formação de um ocultista tão poderoso].


Saint-Germain: Mestre Ascencionado


A biografia do Conde de Saint-Germain, com tantos episódios mais ou menos fantásticos, sem dúvida, é o retrato de um personagem fascinante; se for ficção, é uma ficção deliciosa. A questão da imortalidade do Conde talvez seja o ponto mais polêmico desta biografia.

Enquanto alguns defendem a idéia de um Saint Germain alquimista, que se mantinha vivo e jovem ao longo de milênios graças a um miraculoso Elixir da Longa Vida, outros entendem que o Conde atravessou Eras e protagonizou fatos históricos através de um processo de sucessivas reencarnações na rara condição de ter se mantido sempre consciente de si mesmo como Ser imortal, beneficiando a si mesmo e aos outros com o conhecimento adquirido nas experiências de tantas vidas.

Não obstante a notoriedade das personalidades assumidas pelo Conde ─ São José, Francis Bacon, Cristovão Colombo etc., foi como Conde de Saint-Germain que este Espírito Peregrino tornou-se mais famoso e lendário. Após sua última morte oficial, no Castelo de Eckernförde em 1784, aquele Espírito teria alcançado, enfim, a condição de Cohan, Guardião da Chama Violeta, Mestre Ascencionado da verdadeira, invisível e espiritual Grande Fraternidade Branca.

A crença nos Mestres Ascencionados, embora tenha origem antiga, somente começou a se tornar conhecida no Ocidente a partir da divulgação do trabalho e das publicações da Sociedade Teosófica, na segunda metade do século XIX. H.P. Blavastky, pioneira da teosofia, falou sobre estes Mestres em escritos como The Mahatmas, Masters of Wisdom e Elder Brothers: "São chamados de mestres porque orientam espiritualmente os seres que estão em busca de evolução espiritual na Terra; e ascencionados porque já encarnaram e evoluíram hierarquicamente, afastando-se das limitações do plano terreno em direção à Luz, à ascensão espiritual" [ WIKIPEDIA ].

O Livro de Ouro de Saint Germain

Saint-Germain, o Conde imortal, depois de morrer no século XVIII, além de ter aparecido na Europa e na América dos séculos XIX e XX, também escreveu livros! Mistérios Desvelados, A Presença Mágica EU SOU este, traduzido para o português sob o título de O Livro de Ouro de Saint-Germain, este último muito conhecido, foram supostamente ditados [pelo próprio Saint-Germain] a Guy Ballard [1878-1939], pseudônimo de Godfré Ray King, na década de 1930, na região do monte Shasta, Califórnia.

Independente de quem tenha escrito ou de como tenha sido escrito, o Livro de Ouro de Saint-Germain é uma obra curiosa. Este texto, possivelmente, é precursor/inspirador dos livros de auto-ajuda tão populares nos grandes núcleos da civilização contemporânea/pós-moderna.

Livros que recomendam e instruem sobre programas de controle do pensamento no sentido de promover a concentração mental em comandos [frases] positivas, construtivas, restauradoras da vida pessoal e social em todos os seus aspectos. São frases positivas dirigidas a qualquer objetivo de melhoria: desde mentalizações para a cura de doenças, para o saneamento da vida financeira, para ter um corpo perfeito, até a meditação para ajudar a Humanidade a sair do caos! O Livro de Ouro de Saint-Germain contém orientações para tudo isso e muito mais.

No Livro de Ouro, a idéia central é a afirmação da presença de Deus no Eu [Superior] de todas as pessoas. A doutrina é complexa [e não cabe neste ensaio] mas a prática é simplificada. Consiste no exercício diário das Afirmações. O fundamento da prática é um antigo dogma ocultista: "Pensar é Criar; falar é criar"; ou seja, toda realidade física [saúde, dinheiro, relações pessoais] e metafísica [disposições de espírito como tristeza, agitação, revolta, mágoa etc.] pode ser modificada pela AÇÃO do Pensamento e do Verbo [palavra] humanos. Meditemos...

LINKS RELACIONADOS
ONLINE FREE DOWNLOAD:
A Santíssima Trinosofia - Conde de Saint Germain
[trad. Júlia Bárány] Comentários de Manly P. Hall ─ São Paulo: Mercuryo, 2003.
O Conde de Saint-Germain e H.P.B.: Dois Mensageiros da Loja Branca. H.S. Olcott.
Saint-Germain - Mestre Ascenso, Cohan do Sétimo Raio | Grande Fraternidade Branca
O Livro de Ouro de Saint-Germain | FREE DOWNLOAD